Consultas após tratamento de câncer não devem ser canceladas na pandemia

O agravamento da propagação do novo coronavírus no Brasil tem deixado pessoas com câncer preocupadas, principalmente as que estão terminando ou já finalizaram suas sessões de tratamento. É preciso ir às consultas de revisão ou é melhor adiar para quando a pandemia terminar?

O radio-oncologista Guilherme Rebello, do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV), explica que essa revisão com o médico pode ser postergada, mas deve ser feita. Segundo ele, é o tipo de tumor e seu estágio que determinam por quanto tempo essa consulta pode esperar.

“A consulta é o momento em que o paciente pode relatar suas queixas e o médico acompanhar tais alterações. Ela acontece tanto durante o tratamento da radioterapia, a qual fazemos de forma semanal, quanto após o seu término. Pode ser adiada, mas jamais cancelada. Para minimizar a exposição dos pacientes, procuramos diminuir a frequência com que essas revisões ocorrem”, afirma Guilherme Rebello.

Esse tipo de cuidado se torna necessário durante a pandemia porque pacientes oncológicos podem ter queda na imunidade devido à doença ou por causa dos tratamentos aos quais são submetidos (quimioterapia, radioterapia, uso de corticoides, por exemplo). Dependendo do tipo de tumor, em caso de contágio pela Covid-19, o risco de complicações aumenta.

“No IRV foi criado um fluxograma de entrada onde pacientes e acompanhantes são abordados com medidas de temperatura e questionamentos específicos referentes a contatos com pessoas e sinais e sintomas de febre. Cuidados específicos são também lembrados, como uso de máscara, álcool gel ao chegar e sair do consultório, evitar permanecer por longo período no local, manter distanciamento de 2 metros entre os outros pacientes e higiene pessoal ao chegar em casa”, explica o médico.

Guilherme Rebello ressalta que é fundamental que o paciente discuta com seu médico na consulta os riscos da Covid-19 e do tumor, de forma a planejar os próximos passos com segurança, pois câncer é uma doença grave que pode matar.

“É de suma importância para monitorar o resultado do tratamento e realizar possíveis novas estratégias terapêuticas no tempo certo. O objetivo é não perder a chance de controlar o tumor”, afirma o especialista.

Dr Guilherme Rebello, médico do IRV

 

Orientações seguidas

A educadora aposentada Silvana Brickwedde, de 59 anos, moradora de Domingos Martins, segue à risca as orientações médicas em sua luta contra um câncer na coluna. Ela terminou um ciclo de radioterapia no IRV e toma todos os cuidados quando precisa sair de casa.

“Passo por todas as consultas de revisão porque elas são importantes para as próximas etapas. Tive tumor de mama em 2013 e me tratei. Depois, em 2016, surgiu o câncer na coluna e continuo em tratamento mesmo na pandemia. Uso máscara, álcool gel, tomo banho assim que volto pra casa, até minha bolsa eu lavo. O fundamental é não parar de cuidar da minha saúde”, conta Silvana.

compartilhe esse post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email