Idosos e pessoas com câncer devem redobrar cuidados com o coronavírus

Desde que o coronavírus foi classificado como pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e que no Brasil começaram as restrições para evitar aglomerações, a preocupação com idosos e doentes crônicos aumentou, pois eles fazem parte dos chamados grupos de risco.

O próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alertou: o momento é para ficar em casa e evitar que o vírus circule. 

A advertência tem sua razão de ser: “Os idosos são mais vulneráveis a doenças infectocontagiosas. Pulmões e mucosas se tornam frágeis com a idade e vulneráveis a doenças virais”, explica a radio-oncologista Anne Karina Kiister Leon, do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV).

Dra Anne Kiister Leon, médica do IRV

A médica alerta que a participação da família é fundamental no sentido de dar suporte afetivo e orientar para que os idosos não se exponham a ambientes fechados e a aglomerações, mantendo distância de um metro em relação a outra pessoa para evitar contaminação. 

Os cuidados com a higiene são imprescindíveis, como lavar as mãos com água e sabão com frequência e usar o álcool gel. Ao tossir ou espirrar, deve-se cobrir a boca. Parentes e cuidadores precisam estar vigilantes com relação à limpeza das próprias mãos e roupas antes de entrar em contato com os mais velhos.

 

“A etiqueta social está mudando, mas isso não significa se afastar. É possível manifestar carinho mesmo sem beijos e abraços, como por exemplo se oferecer para ir ao mercado para fazer as compras para os pais ou avós. Ao visitá-los, tome um banho primeiro, lave bem as mãos e use o álcool gel”, orienta Anne Kiister.

Outro grupo de risco que também deve estar atento é o de pessoas portadoras de doenças crônicas, como o câncer.

“Pacientes oncológicos frequentemente têm uma imunidade reduzida devido à própria doença, por um estado debilitado de recuperação pós-cirúrgica ou pelo efeito imunossupressor de alguns tratamentos, como quimioterapia, cortisona, transfusões de sangue e radioterapia”, destaca a médica. 

A Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT) recomenda que os pacientes com câncer não interrompam seus tratamentos, que evitem contato físico, que não mantenham relação com qualquer pessoa que tenha sintomas gripais e/ou que esteja sob suspeita de ter contraído a Covid-19 e que não se aproximem de pessoas que estejam vindo do exterior, com ou sem sintomas gripais. 

“Ao chegar à clínica após usar transporte público ou particular, o paciente deve lavar as mãos, usar álcool gel e comunicar à recepção qualquer sintoma como febre, coriza, tosse seca, falta de ar ou contato com alguém doente”, frisa Anne Kiister.

compartilhe esse post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email