Sobre o câncer

Conheça os diversos tipos da doença

Informe-se

 

O câncer é o nome dado a um conjunto de mais de cem doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e os órgãos. Quando isso ocorre, há a possibilidade de se desenvolver um nódulo, massa ou tumor, que pode ser benigno (não canceroso) ou maligno (canceroso).

O tumor maligno pode levar a uma metástase (crescimento de células em outros órgãos ou tecidos). Por isso, a importância de um diagnóstico precoce.   Quanto mais cedo identificado, maior a chance de cura.

Já o benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo risco de vida.

As causas dos tumores podem ser relacionadas ao meio ambiente, aos hábitos de vida das pessoas e também à herança genética. Hoje em dia, com o avanço na cirurgia, na quimioterapia e nas técnicas de radioterapia, muitos tipos de câncer são curáveis, e os efeitos colaterais tendem a ser reduzidos.

Tipos de Câncer: 

  • Câncer anal

    Afeta principalmente pessoas com mais de 50 anos, fumantes e portadores do vírus HPV. Usar preservativo durante as relações sexuais é uma importante medida preventiva, pois as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) são apontadas como responsáveis pelo aumento da incidência desses tumores. Sinais como sangramento ao evacuar, dor, coceira, ardor e feridas no ânus podem indicar um câncer no local e a necessidade de consultar um médico. Representa de 2 a 4% do total de casos no intestino grosso.

  • Câncer na bexiga

    Os sintomas do câncer na bexiga são dor, sangramento e necessidade frequente de urinar sem conseguir. Os sinais podem ser confundidos com outras doenças comuns no aparelho urinário, por isso é importante passar por uma avaliação médica quando surgirem esses indícios.

  • Câncer de boca

    Feridas que não cicatrizam, nódulos no pescoço e manchas vermelhas ou brancas na língua, na gengiva ou na parte interna das bochechas podem ser sintomas da doença, provocada principalmente pelo fumo, consumo de álcool e exposição indevida aos raios solares. Consultar regularmente o dentista e manter os dentes em bom estado de conservação ajudam na detecção precoce desse tipo de câncer.

  • Câncer colorretal

    A alteração da rotina intestinal – diarreia ou prisão de ventre frequentes – é o sintoma mais comum da doença. Mas também merecem atenção sinais como anemia sem causa definida, sangue nas fezes e desconforto abdominal. Pessoas com histórico familiar e que já apresentaram doenças inflamatórias na região devem ter atenção redobrada. Esse tipo de câncer apresenta grande incidência de cura, caso detectado precocemente.

  • Câncer de colo do útero

    A principal causa é a infecção pelo Papiloma Vírus Humano (HPV). Daí porque a atividade sexual sem proteção aumenta o risco de contaminação e desenvolvimento da doença. O diagnóstico precoce eleva a chance de cura a 100% e, por isso, as mulheres devem fazer o exame ginecológico preventivo todos os anos. Em estágios mais avançados desse câncer – o terceiro de maior incidência entre as mulheres no País – pode haver sangramento vaginal, dor e corrimento.

  • Câncer de esôfago

    A grande maioria dos casos de câncer de esôfago (96%) é do tipo carcinoma epidermoide escamoso, causado, principalmente, pelo fumo e pelo consumo excessivo de bebida alcoólica. Já a obesidade e o refluxo são responsáveis pelo adenocarcinoma, que também atinge o órgão. Os sintomas mais comuns são dor na hora de engolir e no tórax, náuseas, vômito e perda de peso.

  • Câncer de estômago

    Terceiro tipo mais frequente entre os homens e quinto entre as mulheres, esse câncer está bastante relacionado à alimentação. A carne tostada no churrasco, por exemplo, tem alcatrão e pode causar a doença. Produtos defumados, processados e enlatados, como salsicha, presunto e carne de sol, têm nitritos em sua composição que, ao entrar no organismo, se transformam em um agente cancerígeno, a nitrosamina.
    Para evitar essa conversão, é fundamental consumir vegetais crus, frutas ácidas e alimentos ricos em fibras. Perda de apetite, desconforto abdominal e náuseas são sintomas desse tipo de tumor.

  • Câncer de fígado

    Pele e olhos amarelados, acúmulo de líquido no abdômen e perda de peso e de apetite podem indicar câncer no fígado. Os tumores metastáticos (com origem em outros locais) são muito mais frequentes do que os primários, porque o fígado é uma região comum de metástases de vários tipos de câncer de praticamente todos os órgãos do corpo.

  • Câncer de laringe

    O sinal mais evidente desse tumor é a rouquidão persistente e progressiva, sem febre ou dor associada. Fumantes têm dez vezes mais risco de serem acometidos por esse câncer e, para os que também consomem bebida alcóolica em excesso, a probabilidade aumenta para 43 vezes.

  • Leucemia

    Anemia, manchas roxas ou pontos vermelhos sob a pele e sangramentos na gengiva e no nariz são os principais sintomas desse tumor, cuja origem é desconhecida e, por isso, de difícil prevenção.
    A leucemia se desenvolve por um acúmulo de células sanguíneas anormais na medula óssea.

  • Linfoma

    O sistema linfático é composto por órgãos, vasos que se ramificam pelo corpo e pelos linfonodos, que são as ínguas com a função de eliminar agentes prejudiciais à saúde, como vírus e bactérias. Quando uma célula que circula pelo sistema linfático se transforma e passa a apresentar multiplicação anormal, surge o linfoma.
    Pessoas com deficiências no sistema imunológico têm maior risco de desenvolver a doença. Perda de peso, sudorese noturna, coceira na pele, fadiga e febre são sinais que podem indicar a doença. Há dois tipos:

    • Linfoma de Hodgkin
    Corresponde a 12% do total de casos de linfoma. A maioria dos pacientes pode ser curada se tiver tratamento adequado.

    • Linfoma não-Hodgkin
    Há mais de 20 tipos conhecidos de linfomas não-Hodgkin. Sua incidência dobrou nos últimos 25 anos, principalmente em pessoas com mais de 60 anos.
    Por ser um grupo grande, esses diversos tipos podem ter tratamento e possibilidade de cura bem diferentes.

  • Câncer de mama

    É o mais comum entre as mulheres, e vem apresentando aumento na incidência, principalmente em pessoas com menos de 35 anos. Entre os fatores de risco estão o sedentarismo, a obesidade, o estresse, a poluição, o fumo e o uso indiscriminado de medicamentos. Há ainda os casos de origem hereditária.
    O autoexame e a realização de mamografia anualmente são medidas que ajudam na detecção precoce do tumor, elevando as chances de cura a até 80%.

  • Câncer de ovário

    O diagnóstico, em geral, ocorre em casos avançados porque esse tipo de câncer não apresenta sinais no estágio inicial. Entre os sintomas estão dor ou inchaço na pelve, no abdômen, nas costas ou nas pernas. Também há registros de náuseas, cansaço, indigestão, gases e diarreia ou prisão de ventre.

  • Câncer no pâncreas

    Portadores de pancreatite crônica ou de diabetes, submetidos a cirurgias de úlcera no estômago ou no duodeno, com vesícula biliar retirada ou com histórico familiar de câncer no órgão têm mais risco de desenvolver a doença, cuja detecção é bastante difícil. Os principais sintomas são a perda de peso e de apetite, dor, que pode ser irradiada para as costas, fraqueza, diarreia e tontura.

  • Câncer de pele

    A melhor maneira de prevenção é evitar a exposição solar prolongada, principalmente no período entre 10 e 16 horas. Há dois tipos:
    • Melanoma
    Pintas escuras no corpo, de formas irregulares, que apresentam coceira e descamação podem ser indicativos do câncer. Aquelas que já existem também devem ser observadas caso apresentem alterações no tamanho, cor ou forma. É mais agressivo, com alto índice de metástase.

    • Não-melanoma
    É o câncer mais frequente no Brasil e corresponde a um quarto dos casos registrados. Apresenta altos índices de cura, se for detectado precocemente.
Acomete mais comumente pessoas com mais de 40 anos, sendo relativamente raro em crianças e negros.

  • Câncer Infantil

    Trata-se de um grupo de várias doenças que desenvolvem células anormais de maneira desordenada, em qualquer lugar do organismo. Entre crianças e adolescentes, os tumores mais comuns são as leucemias, linfomas e os do sistema nervoso central.
    O câncer infantil representa a primeira causa de morte por doença entre meninos e meninas até os 19 anos, em todas as regiões do País. Contudo, os avanços da medicina têm possibilitado o aumento no índice de cura, chegando a 70%, quando a doença é detectada precocemente.

  • Câncer de pênis

    A prevenção desse câncer se dá por uma limpeza adequada do local com água e sabão todos os dias, principalmente após as relações sexuais ou a masturbação. A doença costuma ser associada à falta de higiene, principalmente entre homens que não se submeteram à remoção do prepúcio. O uso de preservativo também é indispensável porque existe vinculação da doença com a infecção pelo vírus HPV.
    Manchas, feridas e caroços na região são sinais da doença.

  • Câncer de próstata

    Os sintomas da doença são a dificuldade ou necessidade maior do que o normal de urinar. Homens com mais de 50 anos devem realizar exames anuais com um médico especialista, pois, se detectada no início, há significativa probabilidade de cura.

  • Câncer de pulmão

    O fumo é a principal causa dessa doença e está associado a cerca de 80% dos casos diagnosticados. Entre os sinais estão o sangramento pelas vias respiratórias, tosse prolongada, emagrecimento e dor torácica. No caso dos fumantes, que têm tosse habitual causada pelo pigarro, deve haver atenção a mudanças no ritmo das crises.

  • Câncer de testículo

    Com maior incidência entre os homens de 15 a 35 anos, a doença costuma estar associada ao uso de anabolizantes. Mas também afeta indivíduos com histórico familiar, que sofreram traumas na região ou que têm criptorquidia (quando o testículo não desce para a bolsa escrotal). O melhor meio para sua detecção precoce é o autoexame uma vez por mês.

  • Tumores de Ewing

    Afetam especialmente crianças e jovens de até 21 anos. Sem causa conhecida, esse câncer surge nos ossos em 80% dos casos e em tecidos moles (músculos, gorduras, tendões e nervos). Os principais sintomas são dor e inchaço na região atingida.

Radiocirurgia Estereotáxica

É uma técnica indicada para tratar tumores pequenos. Pode ser usada para câncer primário de pulmão e também para a metástase em pulmão, fígado, linfonodos, coluna e outros órgãos. Esse tipo de radioterapia e feito num tempo menor do que a convencional. Equipamentos especiais são utilizados para atingir o alvo com precisão. A técnica é conhecida também por outros nomes: Radioterapia estereotáxica corporal, Radiocirurgia extracraniana, Radioterapia extracraniana e Radioterapia estereotáxica ablativa.