Olho no prato! Alimentação desequilibrada aumenta risco de câncer

O consumo de alimentos industrializados e fast food é uma das realidades da vida moderna. Mas o preço para a saúde é alto. Além de obesidade, hipertensão e diabetes, o câncer de cólon e reto é uma das doenças que podem ser desencadeadas a partir de uma alimentação desequilibrada.

No geral, alimentos como hambúrguer, batata frita, salgado frito, bacon e linguiça são ricos em açúcar, sal, gordura e conservantes. E quando são consumidos com muita frequência, em detrimento de frutas, verduras e legumes, aumentam o risco de desenvolver tumor colorretal.

“É comum retirar dos alimentos industrializados substâncias que reduzem seu tempo de validade, como as fibras. Isso pode levar ao aparecimento de doenças, como o câncer colorretal”, explica o radio-oncologista Carlos Rebello.

“Além de reduzir o consumo de fast food, carne vermelha e produtos industrializados, faz parte de uma boa dieta acrescentar verduras, legumes, frutas e alimentos integrais no cardápio”, completa o médico. No Março Azul Escuro, mês dedicado à prevenção do câncer colorretal, dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que a incidência de tumores de cólon e reto aumentou no Brasil: saltou de 36.360 novos casos em 2019 para 38.230 em 2020.

O câncer colorretal se desenvolve no intestino grosso, isto é, no cólon ou em sua porção final, o reto. A prevenção pode ser feita por meio de exames de rastreamento, como a colonoscopia, que tem como objetivo detectar pólipos antes que eles se tornem tumores malignos.

Em geral, a doença causa sintomas apenas em estágios mais avançados, sendo que as principais alterações são: presença de sangue nas fezes, diarreia crônica com pouco volume fecal, constipação e cólicas com inchaço abdominal.

Pessoas acima de 50 anos são mais propensas a desenvolverem a doença. De acordo com Carlos Rebello, fatores hereditários também contam, além de obesidade, tabagismo, sedentarismo e consumo constante de bebidas alcóolicas.

O tratamento é feito com intervenção cirúrgica, quimioterapia e radioterapia, dependendo do estágio e localização do câncer. Segundo Carlos Rebello, a radioterapia é indicada para tumores no canal anal e de reto médio e baixo, podendo ser associada à cirurgia e à quimioterapia.

 

Dr Carlos de Freitas Rebello, médico do IRV

 

compartilhe esse post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email