Sintomas frequentes nas crianças podem ser alerta de câncer

Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que 8.460 crianças e adolescentes serão diagnosticados no Brasil com algum tipo de tumor até o fim deste ano. A doença tem chance maior de cura quando descoberta de forma precoce, mas, para isso, pais e responsáveis precisam estar atentos aos sintomas.

Os tipos de câncer infantojuvenil mais comuns são leucemias, linfomas e tumores de sistema nervoso central. De acordo com o radio-oncologista Persio Freitas, do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV), cerca de 80% das crianças e adolescentes podem ser curados desde que diagnosticados de forma precoce. “Manchas roxas pelo corpo, sangramentos, febre prolongada, inchaço na barriga, aumento dos gânglios, caroços, fortes dores nos membros inferiores e palidez são alguns sinais de alerta”, explica o especialista.

De acordo com o INCA, alguns estudos indicam que mais de três idas ao médico com os mesmos sintomas merecem atenção especial. “O ideal é fazer um acompanhamento regular com o pediatra. Se a criança se queixa sempre dos mesmos sintomas nas consultas, é importante investigar as causas”, afirma Persio Freitas.

O câncer infantojuvenil, na maioria das vezes, tem natureza desconhecida. E hoje, é a principal causa de morte entre crianças e adolescentes no Brasil (1 a 19 anos), segundo o INCA. “Em um paciente adulto, muitas vezes o estilo de vida influencia para que ele desenvolva câncer, como fumar, por exemplo. Isso não ocorre com as crianças, cuja doença está associada a alterações genéticas.Por isso, o diagnóstico precoce é tão importante, já que não há uma forma de prevenir”, afirma o radio-oncologista.

As opções de tratamento do câncer infantojuvenil são semelhantes às dos adultos, com cirurgia, quimioterapia, radioterapia, transplante de medula e imunoterapia. As terapias com medicações podem durar de seis meses a dois anos, dependendo do avanço do tumor.

Em alguns casos, a radioterapia pode ser indicada. É importante salientar que os tumores nas crianças e adolescentes crescem numa velocidade maior que em adultos e que suas células normais se reproduzem continuamente, por estarem em fase de desenvolvimento. “Em crianças, a radioterapia é sempre realizada com extremo critério, por causa dos tecidos e órgãos em desenvolvimento. O tratamento deve ser discutido com o especialista para definir o que é mais adequado”, destaca.

Dr Pérsio Pinheiro de Freitas, médico do IRV

compartilhe esse post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email